Histórico
Bispos na história
            Histórico             Bispos na história      

Dom Alexandre Gonçalves do Amaral

Dom Alexandre nasceu a 12 de junho de 1906 em Carmo da Mata, MG e era filho de Benjamim Gonçalves e Maria Cândida do Amaral. Sua vocação sacerdotal nasceria do exemplo de seu pai que era vicentino. Dom Alexandre viveu seu bispado motivando a caridade vicentina em toda sua diocese. Foi batizado a 29 de junho de 1906. Realizou o 2º Grau no Seminário de Mariana-MG, Filosofia e Teologia no Seminário Coração Eucarístico, Belo Horizonte-MG, onde também foi ordenado padre a 22 de setembro de 1929. Eleito bispo a 5 de agosto de 1939, ordenação episcopal a 29 de outubro de 1939; Posse em Uberaba a 8 de dezembro de 1939. Primeiro Arcebispo de Uberaba de 1962 a 1 de maio de 1978, quando renunciou juntamente com seu Administrador Apostólico Dom José Pedro Costa. Viveu 96 anos de batismo, 23 antes do sacerdócio, 73 anos de padre, 39 anos de governo episcopal e 23 anos como bispo emérito, incluídos os 6 dolorosos anos de doença. Sua vida bateu três recordes impossíveis de serem repetidos até o fim do mundo porque, com dispensa canônica pela pouca idade, foi ordenado padre com apenas 23 anos, nomeado bispo com apenas 33 anos e morreu como o mais velho do mundo por antiguidade de ordenação episcopal, pois viveu 63 anos como bispo.

Durante todo esse tempo realizou seus trabalhos em Belo Horizonte-MG: Foi professor de Filosofia e Teologia no Seminário do Coração Eucarístico, onde também foi Diretor Espiritual. Foi Pároco de São José, Calafate; Reitor e Assistente da Ação Católica. Em 1939 conseguiu a Nomeação Episcopal e neste mesmo ano conseguiu a Ordenação Episcopal também em Belo Horizonte-MG.

Em sua nomeação o Núncio Apostólico pediu que ficasse na difícil diocese de Uberaba pelo menos 5 anos sem pedir transferência, ao que Dom Alexandre respondeu; “Ficarei mais de 5 anos, serei enterrado em Uberaba”. Por ser orador sacro, por ter escrito livros, e por outros méritos ocupou a cadeira 21 da Academia de Letras do Triângulo Mineiro.

Em Uberaba, Dom Alexandre construiu o grande prédio do seminário São José, tornou diário o Jornal “Correio Católico”, onde, diariamente tinha uma mensagem sua no famoso “rodapé”. Trouxe para seu bispado três mosteiros contemplativos das beneditinas, carmelitas e concepcionistas. Trouxe as Carmelitas da Afonso Rato, os capuchinhos, os Padres Sacramentinos para cuidar da Adoração Perpétua, fundada em 1951, as Irmãs de São João Batista do Asilo São Vicente e as Irmãs para cuidar do Orfanato Santo Eduardo. Participou dos estudos das três sessões do Concílio Vaticano II, de 1962 a 1965. Fundou inúmeras Paróquias, ordenou 82 padres.

Na década de 1940 foi considerado o mais notável bispo brasileiro em coordenações de ações da Ação Católica e considerado o maior orador sacro no Brasil. No Correio Católico publicou mais de 4.000 artigos. Por muitos anos, célebres foram os sermões das 7 palavras na sexta feira santa na Catedral de Uberaba, MG, sempre intermeadas com frases em Latim, Italiano, Francês e termos teológicos citados em grego. Citava Santo Tomás de Aquino em Latim.

Recebeu o Título de Cidadão Patense e foi o instaurador da Diocese de Patos de Minas-MG.

Era obediente à Igreja. Roma antigamente orientava tudo, até a indumentária episcopal cujos sapatos de fivelas vermelhas, as meias, a faixa à cintura, as casas dos botões da batina. A fivela do sapato episcopal prescrito ocasionou-lhe uma chaga no pé. Dom Alexandre pela obediência não a abandonou. Mancou durante anos.

Aquela incomoda chaga só fechou 15 dias depois que a Santa Sé dispensou a exigência daquele sapato. Fé Católica não muda. Implicações históricas de manifestação da fé podem ser mudadas.

Dom José André Coimbra

Dom José André Coimbra nasceu em Carbonita-MG, em 10 de novembro de 1900. Filho de José dos Santos Coimbra e Maria dos Santos Rodrigues. Fez seus estudos primários na terra natal. Cursou o Seminário de Diamantina. Ordenou-se Sacerdote a 13 de julho de 1924. Foi vigário de Itamarandiba durante 06 meses e do Serro por 10 anos. Diretor Hebdomadário do "Estrela Polar" e professor no Seminário e no Ginário da cidade de Diamantina-MG. Sagrou-se Bispo de Barra do Piraí-RJ em 24 de junho de 1938, permanecendo até outubro de 1955.

Jornalista, fundou o Semanário "O Vigilante". Em 08 de junho de 1955 é nomeado Bispo de Patos de Minas-MG, e toma posse no dia 30 de outubro de 1955, quando é instalada a Diocese. O ato foi presidido por Dom Alexandre Gonçalves do Amaral, Delegado do Núncio Apostólico. Fundou o Jornal "Folha Diocesana", Criou a Paróquia de Santa Terezinha. Muito trabalhou para o bem estar da comunidade.

Escreveu três Cartas Pastorais, o livro de contos "Um Padre, um Ovo e um Cão. Amante das pesquisas históricas, elaborou um trabalho folclórico a respeito das modinhas de sua terra natal, e a história de Carbonita. Amante da Música, escreveu a música do hino oficial de Patos de Minas. Como Bispo de Patos de Minas, uma de suas maiores preocupações foi o incremento das vocações sacerdotais. Sobre o tema escreveu a sua primeira Carta Pastoral aos Diocesanos de Patos de Minas. Em 2 de agosto do ano de 1958 instala o Seminário Menor Pio XII.

Dom José André Coimbra foi o grande idealizador do Seminário Menor na Diocese de Barra do Piraí-RJ, construído na Estrada que liga a cidade de Barra do Piraí a cidade de Valença, hoje onde se encontra a UNGB (Universidade Geraldo de Biasi - FERP).

Faleceu na cidade de Araxá-MG em 16 de agosto de 1968, foi sepultado no dia 17 de agosto, na Cripta da Catedral de Santo Antônio, em Patos de Minas-MG.

Dom José Belvino do Nascimento

Dom José Belvino nasceu em Mercês-MG aos 29 de dezembro de 1932. Filho de João Belvino da Costa e Ana Maria do Nascimento foi ordenado Sacerdote aos 02 de dezembro de 1956. Sua Nomeação Episcopal foi em 27 de junho de 1981 e sua Ordenação Episcopal foi Entre Rios de Minas-MG, em 29 de setembro de 1981.

Foi Bispo de Itumbiara-GO de 1981 a 1987; Bispo Coadjutor de Patos de Minas-MG de 1987 a 1989.

Foi nomeado Bispo Diocesano de Divinópolis -GO em 05 de abril de 1989, onde renunciou por causa da idade em 2009.

Lema: "Fide in Fidem" (“Pela fé e para fé”)

 

Dom Frei Jorge Scarso, OFM Cap.


Dom Jorge nasceu em Modica-Itália em 13 de agosto de 1916. Ordenou-se como Presbítero em 28 de junho de 1942, na cidade de Siracusa-Itália. Vindo para o Brasil como Missionário foi nomeado Bispo e sua Ordenação Episcopal ocorreu no dia 25 de março de 1968, na cidade do Rio de Janeiro-RJ.

Tem como lema: “Evangelizar pauperibus misit me” (“Enviou-me para evangelizar os pobres”)

Durante todo esse tempo realizou seus trabalhos como Superior e Guardião do Convento de Augusta-Itália; em 1946 veio para o Brasil como Missionário, de 1949 a 1967 exerceu a função de Vigário nas cidades de Santa Teresa e Penha do Norte-ES, Mantena-MG e, Niterói e Petrópolis-RJ; de 1968 a 1992 trabalhou como Bispo na Diocese de Patos de Minas-MG e, em 1977, foi Administrador Apostólico de Paracatu-MG.

Renunciou por causa da idade em 08 de janeiro de 1992.

Faleceu em 28 de outubro de 2015 e foi sepultado em 30 de outubro de 2015, na cripta em Modica.

 

Dom João Bosco Óliver de Faria

Dom João Bosco nasceu em São João Del Rei-MG em 30 de outubro de 1939. Filho de José Lopes de Faria e Gersina Óliver de Faria. Estudou Filosofia na Faculdade Dom Bosco em São João Del Rey-MG e Teologia no Seminário Maior São José em Mariana-MG. Fez  Especialização: Mestrado em Teologia Moral pela Academia Afonsiana. Roma / Itália; Curso de aperfeiçoamento de Língua Inglesa: Saint Giles  - Londres ( 1973); Curso de aperfeiçoamento de língua Francesa  - França ( 1974); Estágio Pastoral na Inglaterra

(1974); Curso sobre Matrimônio (Congregação para o culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, Roma – 1974);

Estágio Pastoral no Canadá; Estágio Pastoral na Inglaterra; Curso de Bioética para Bispos-Roma (1994).

Ordenou-se como Presbítero no dia 03 de setembro de 1968 na cidade de Belo Horizonte-MG e, como Bispo no dia 12 de outubro de 1987 na cidade de Pouso Alegre-MG.

Fora nomeado Bispo de Patos de Minas-MG no dia 08 de janeiro 1992, tomando posse no dia 22 de fevereiro do mesmo ano, na Catedral de Santo Antônio de Pádua em Patos de Minas-MG.

Em 1996 fundou o Jornal “Informativo Diocesano”.

E em 30 de maio de 2007, foi nomeado Arcebispo de Diamantina-MG, onde tomou posse em 28 de julho de 2007.

Tornou-se Arcebispo Emérito de Diamantina em 09 de março de 2016, quando o Papa Francisco aceitou o seu pedido de renúncia.

Seu Lema é: “Amor tantum aedificat” (“Só o amor constrói”)

Receba as notícias e artigos da Diocese de Patos de Minas. Cadastre seu e-mail...